quarta-feira, 5 de abril de 2017

Curry


- Já refletiu sobre a galera que morreu pra você poder usar essa cuequinha grená?
- Como assim?
- Antes dos europeus chegarem ao oriente, as roupas eram todas marrons, tristes, um horror. Não tinha corante, não tinha brilho.
- Quem te contou isso?
- Também enfrentaram tormentas para que o boyzinho pudesse usar um perfuminho – dá uma fungada no cabelo do namorado - Gosta de perfuminho, não gosta?
- Deixa de ser ridícula.
- Perfuminho atrai femeazinha feito eu. Mas de que adianta, né?!
- Já entendi aonde quer chegar.
- Agora vamos falar de temperos.
- Não, não vamos.
- Imagina a merda que era o gosto da comida antes da Rota das Índias. Nem sal direito tinha. Imagina curry.
- Sabia.
- Eu não sei quantos barcos afundaram para a gente ter curry na nossa mesa, mas posso pesquisar na internet. Peraí.
- Bia, chega! Eu não consigo e pronto. Sente esse cheiro.
- Você é um fresco! Queria o quê? O restaurante indiano é meu vizinho. Vai ter cheiro de curry pra caralho sim! Ou se acostuma ou não trepamos mais.
- Desculpa, curry me brocha.
- Eu preciso de uma paciência de Gandhi com você.
- Gandhi não era paciente, era pacifista.
- Então vamos pra sua casa.
- Meus pais estão lá, esqueceu?
- E aquele motel, o Plexus?
- Acho motel nojento.
- Você tá querendo levar uma porrada ou um chifre?
- Quer gastar dinheiro a toa?
- Interessante, Cadu. Nojo de curry, nojo de motel e nojo de buceta. Que bela época pra estar viva.
- Não tenho nojo de buceta.
- E não faz oral por quê?
- A gente tava falando de curry.
- Mas eu quero falar de buceta. Primeiro dizia que menstruação te afastava, mesmo quando mal tinha descido, eu entendi, apesar de contrariada, aí depois parou de vez com o oral.
- Eu peguei trauma de menstruação porque um dia…
- Já sei, a menina não te avisou e você foi lá e caiu de boca. É psicológico, querido.
- Chegou a comida – levanta-se Cadu ao ouvir o interfone.
- Vai lá, foge mesmo.

Minutos depois:

- Que massa boa.
- Gostou do molho que eu escolhi?
- Amo molho branco. Que restaurante é esse?
- Não viu o folder?
- Não veio.
- Se chama O Sabor da Saroba, cozinha experimental.
- Sucesso. Mas experimental por quê?
- Porque usa ingredientes novos, super nutritivos.
- Uai, isso é creme de leite, não?
- Sim, também tem gengibre e esperma, que harmonizam bem.
- Vai se foder.
- Qual o problema? Faz bem pra saúde.
- Filha da puta! – revolta-se Cadu, largando a quentinha e trancando-se no banheiro.
- Amor, é brincadeira – bate na porta -  Você é caipira mesmo em achar que existe delivery de sêmen. Se tivesse, eu já tinha pedido. Amor, tá vomitando?

-->

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Gratiluz


Vinicius, acompanhado pelo pai e o advogado, aguarda na porta do gabinete do juiz. Ao ver entrar um senhor de bata psicodélica e maquiagem, faz piada:

- Que é a mocreia?
- É o juiz Epaminondas Teixeira – esclarece o advogado.
- Eita! Não vou ser julgado por traveco não – revolta-se o réu.
- Meu filho, ele é um juiz mais brando, que aplica pena alternativa.

Convidado a entrar, o réu endireita a coluna e faz uma saudação para a câmera de segurança com o braço esticado:

- Heil Hitler!
- Menine, abaixa o bracinho e senta aqui  – repreende o juiz travestido sentado à cabeceira da mesa.
- Cadê a roupa preta? Quero um juiz homem, branco e hetero!
- Olha, vou ignorar seu descontrole porque tenho manicure daqui uma hora e não quero perder tempo.
- Meritissimo juiz… - inicia a audiência o advogado.
- Juiza – interrompe o magistrado.
- Como?
- Juiza Epaminondas Teixeira.
- Juiza? – indigna-se o réu -  Não é porque a sua piroca é murcha que ela deixa de existir.
- Murcha, mas livre... e vai foder você - devolve a juíza.
- Vini, cala essa boca! – desespera-se o pai.
- Senhor advogado, consta que o seu cliente fez apologia de ideias nazi-fascistas em área pública, incitando ao racismo e à homofobia com injúrias verbais, como afirmam testemunhas, procede?
- Sim.
- No entando, ainda é réu primário.
- Sim, meritissimo… ou melhor, meritissima. O réu assume as acusações.
- Pela violação do artigo vinte da lei sete mil setecentos e dezesseis, condeno o réu a aprender a técnica de criação de terrários e vender as peças na feira de artesanato do Bixiga durante um ano, revertendo a renda para ONGs LGBT.
- Oi? – surpreende-se o réu.
- Sem multas, meritissima? 
- O pai dele paga o curso e tá tudo certo.
- Eu não vou fazer merda de terrário nenhum, sua bichona! Nem sei que porra é essa! Me dá uma punição de macho, ou cesta básica, sei lá!
- Pelo desacato, prorrogo a sentença por mais seis meses de exercício diário da nobre arte da produção de compotas, auxiliando os idosos do Lar Ricardo Coimbra.
- Compotas?
- Conservas, meu filho – esclarece o pai.
- Esse viado quer me fazer passar vergonha! – revolta-se – Quero condenação brutal!
- Não se satisfez? Então também condeno a sete meses de vendas diárias de alfajor vegano na Praça Roosevelt, com cem por cento dos ganhos doados ao Movimento Negro. 
- Mas Meritissima… como se faz alfajor vegano? – questiona o advogado.
- Alfarroba, capim santo… não me diz respeito. Estipulo que a pena comece a ser cumprida imediatamente.
- No seu cu é onde vou enfiar o alfajor, entendeu? No cu!

Guardas conduzem o réu para fora do recinto, enquanto o pai tenta consolá-lo com uma promessa:

- Vini, vou tentar conseguir ao menos uma semana de solitária pra você.
- A todos os presentes: gratiluz – encerra a audiência a juíza.